quinta-feira, 30 de junho de 2011

Marcelo Rosenbaum cria horta engarrafada


Divulgação/Marcelo Rosenbaum
Por Casa e Jardim Online

A ideia do designer é reaproveitar embalagens de refrigerante para montar um jardim vertical criativo e sustentável 



Divulgação/Marcelo Rosenbaum

Acredite: é possível tertemperos sempre à mão em casa, ainda que você não disponha de muito espaço ou de recursos financeiros. A ideia partiu de Marcelo Rosenbaum, que a executou em uma das edições do quadro "Lar, doce lar", exibido no programa Caldeirão do Huck, da TV Globo. O designer aproveitou o muro do corredor desta casa, no bairro Itaim Paulista, em São Paulo, para criar uma horta vertical. No lugar de vasos, foram utilizadas embalagens de refrigerantes, recortadas e penduradas com cordinhas. “A garrafa PET é uma invenção que deu certo em termos econômicos, mas vem trazendo uma dor de cabeça quando pensamos na enorme degradação do meio ambiente causada por ela”, diz Rosenbaum em seu blog. “Esta é uma forma popular de se apropriar de técnicas já existentes sustentáveis, viáveis e econômicas”, completa. 

Quer ver o passo a passo para reproduzir a ideia em casa? Clique aqui.


Muito boa essa idéia. Serve para pequenos espaços e possibilita alimentos sempre fresquinhos. Um macarrão com tomatinhos e manjericão colhidos na hora. Que delícia...




quarta-feira, 29 de junho de 2011

Cinzas de vulcão Chileno são reaproveitadas para construção de casas populares


28 de junho de 2011 | Nas Categorias: Arquitetura Verde | Por: Vanessa Mendes Argenta


Quem acompanha o noticiário com certeza ouviu falar sobre o vulcão Puyehue, no Chile, cujas cinzas se espalharam por todo o Cone sul, afetando muito o tráfego aéreo e o turismo na região. Cidades a mais de 100 quilômetros de distância foram afetadas pelas cinzas, inclusive San Carlos de Bariloche e Buenos Aires.
As cidades mais próximas do Puyehue ficaram tomadas pelas cinzas vulcânicas, o que ocasionou o fechamento de estradas, a poluição de reservatórios de água e a falta de energia elétrica. Uma das cidades mais afetadas foi Villa La Angostura, que fica na Argentina, a cerca de 40 quilômetros do vulcão.


Mas ao invés de chorar sobre as cinzas derramadas, os moradores dessa cidade partiram para uma ação sustentável: usar as cinzas para fabricar blocos de construção!
Com o apoio do governo local, os blocos já estão sendo produzidos, usando a força de trabalho dos moradores que estavam desempregados e os equipamentos adquiridos pelo Ministério do Desenvolvimento Social.


Acrescentando um pouco de cimento às cinzas, podem ser fabricados blocos para paredes, bloquetes para piso e tubos para instalações hidráulicas. Com mais de cinco milhões de metros cúbicos de cinzas acumuladas nas ruas, matéria-prima é que não vai faltar por enquanto. A intenção é construir, num primeiro momento, moradias para a população de baixa renda. Em regime de cooperativa, espera-se empregar mais de 32 famílias diretamente na produção dos blocos.
Além da limpeza das ruas e da geração de empregos, espera-se com isso estimular o turismo na região, construindo hotéis e estações turísticas com o material. Na situação de calamidade que se encontra a cidade, essa ação conjunta com a natureza pode ser uma esperança para os moradores tão afetados pelo poderoso Puyehue.
Veja o video da BBC (clique aqui para ver o video).

'Quero usar meu tempo para salvar o planeta'


Aos 5 anos, Gabrielle chorou ao ver reportagem sobre aquecimento global; hoje, aos 13, já apresentou programas na web e criou instituto. Saiba mais ...

segunda-feira, 27 de junho de 2011

Pessoal de S.Carlos - SP

Loja de produtos orgânicos no centro de São Carlos.
Oferecemos enorme variedade de alimentos orgânicos certificados e de qualidade. Temos frutas, legumes, verduras, ovos, laticínios, derivados de soja, sucos, geléias, farinhas, e muito mais, além de diversos produtos naturais, dietéticos, sem glúten, vegetarianos, sem lactose, etc.




VENHA CONHECER!!!

R. Dona Alexandrina, 2275
Centro - Em frente à rodoviária
(16) 3116-1988 / 8188-5650
Segunda a Sexta das 9:00 às 19:00
Sábados das 9:00 às 15:00


Contatos:
vendas@organicossaocarlos.com.br
contato@organicossaocarlos.com.br

domingo, 26 de junho de 2011

Julie e Julia

Julie & Julia, Julie & Julia DVD de Filmes, Filmes Blu ray, Filmes Online

Baseado em duas histórias reais, Julie & Julia intercala a vida de duas mulheres que, apesar de separadas pelo tempo e pelo espaço estão ambas perdidas... até descobrirem que com a combinação certa de paixão, coragem e manteiga, tudo é possível

O Estudante

O Estudante, El Estudiante DVD de Filmes, Filmes Blu ray, Filmes Online
O Estudante conta a aventura de Chano, um homem de 70 anos de idade, que acaba de se inscrever na universidade para estudar Literatura. Assim, se encontra com o mundo de jovens, de costumes e tradições muito diferentes das suas. Porém, com Dom Quixote sempre como exemplo, Chano atravessa a barreira das gerações e faz novos amigos, torna-se um guia e ajuda a resolver seus problemas. Até que um forte golpe acontece em sua vida e serão agora seus jovens amigos que trão que ajudá-lo a superar.

sexta-feira, 17 de junho de 2011

Pai, começa o começo ....


Pai, esta semana foi seu aniversário aqui na Terra e eu não sabia como agradecer o tempo que ficamos juntos, Achei este texto que me lembrou das laranjas que você descascava para mim e então resolvi colocar no Blog para mostrar as pessoas como a Vida é curta e os problemas pequenos! Um beijo e Feliz Aniversário.
Quando eu era criança e pegava uma tangerina para descascar, corria para meu pai e pedia: - “pai, começa o começo!”. O que eu queria era que ele fizesse o primeiro rasgo na casca, o mais difícil e resistente para as minhas pequenas mãos. Depois, sorridente, ele sempre acabava descascando toda a fruta para mim. Mas, outras vezes, eu mesmo tirava o restante da casca a partir daquele primeiro rasgo providencial que ele havia feito.
Meu pai faleceu há muito tempo (e há anos, muitos, aliás) não sou mais criança. Mesmo assim, sinto grande desejo de tê-lo ainda ao meu lado para, pelo menos, “começar o começo” de tantas cascas duras que encontro pelo caminho. Hoje, minhas “tangerinas” são outras. Preciso “descascar” as dificuldades do trabalho, os obstáculos dos relacionamentos com amigos, os problemas no núcleo familiar, o esforço diário que é a construção do casamento, os retoques e pinceladas de sabedoria na imensa arte de viabilizar filhos realizados e felizes, ou então, o enfrentamento sempre tão difícil de doenças, perdas, traumas, separações, mortes, dificuldades financeiras e, até mesmo, as dúvidas e conflitos que nos afligem diante de decisões e desafios.
Em certas ocasiões, minhas tangerinas transformam-se em enormes abacaxis......
Lembro-me, então, que a segurança de ser atendido pelo papai quando lhe pedia para “começar o começo” era o que me dava a certeza que conseguiria chegar até ao último pedacinho da casca e saborear a fruta. O carinho e a atenção que eu recebia do meu pai me levaram a pedir ajuda a Deus, meu Pai do Céu, que nunca morre e sempre está ao meu lado. Meu pai terreno me ensinou que Deus, o Pai do Céu, é eterno e que Seu amor é a garantia das nossas vitórias.
Quando a vida parecer muito grossa e difícil, como a casca de uma tangerina para as mãos frágeis de uma criança, lembre-se de pedir a Deus:
“Pai, começa o começo!”. Ele não só “começará o começo”, mas resolverá toda a situação para você.
Não sei que tipo de dificuldade eu e você encontraremos pela frente em nossas vidas. Sei apenas que vou me garantir no Amor Eterno de Deus para pedir, sempre que for preciso:
 “Pai, começa o começo!”

quarta-feira, 15 de junho de 2011

JULHO SUSTENTAVEL NA PAULISTA


Móveis sustentáveis para crianças feitos com papelão. Aprenda a fazer o seu!


 Por: Laércio Bizzarri 

Blog Coletivo verde: http://www.coletivoverde.com.br/moveis-papelao/






“Restaurar a concepção de que um produto possa ser fornecido de maneira acessível através de um projeto de fabricação inteligente.”
Esta é a missão de Nicola Enrico Stäubli, arquiteto independente, designer suíço e mensageiro de bicicleta, desenvolvedor do projeto Fold School, que propõe uma forma de “faça você mesmo” diferente da cultura de massa dirigida por uma superficialidade que se propõe a comprar objetos de design fabricados por máquinas e vendidos a altos preços.






A inovadora maneira de pensar de Nicola impulsionou seu projeto. Foldschool é uma coleção de móveis de papelão gratuitos para crianças (cadeirinha, banquinho e cadeirinha de balanço), feitos à mão pelo próprio consumidor.
Basta descolar um bom pedaço de papelão, tesoura, cola, estilete, baixar o pdf do projeto no site Fold School, seguir as instruções e montar um mobiliário estável, estiloso e super divertido.






Todas as peças criadas pelo arquiteto são feitas de papelão, pelo fator sustentável (que é um material que pode ser desmontado e reciclado), pelo fator de que é um material fácil de ser encontrado e manuseado e segundo Nicola, também pelo fator de que o papelão pode ser personalidado pelas prórprias crianças.
Seja pintado à canetinha, à tinta, com colagens ou estampas, um dos grandes diferenciais do projeto é a interação que ele pode causar tendo que ser montado artesanalmente pelo consumidor.






Confira abaixo algumas perguntas respondidas pelo designer em seu site.
Posso comprar uma peça do seu mobiliário já montada?
Não! O processo de elaboração e manuseio do material para a conclusão da peça é fundamental para o conceito do Foldschool.
O mobiliário do projeto é estável?
Seguindo as instruções do projeto, ele pode facilmente suportar o peso de um adulto.
Os projetos servem para adultos também?
Atualmente o Foldschool não oferece mobiliário do tamanho de adultos.
Porque o mobiliário é feito apenas de papelão?
O papelão é fácil de encontrar e de manusear. Seus filhos podem viver a sua criatividade na pintura do papelão. Eles terão seu pedaço muito pessoal de mobiliário. Depois de usado, você ainda pode reciclá-lo e ficar com a consciência limpa.






Mais: Fold School
Related Posts with Thumbnails

Sobre o autor:

Laércio Bizzarri
Laércio Bizzarri ( @bizzarrilaercio )
Diretor de arte da agência M51 Criatividade Estratégica. Apaixonado pelo design que inspira, transmite e transforma.Site: http://laerciobizzarri.com.br

quinta-feira, 9 de junho de 2011

Como fazer artesanato em Couro e Materiais reciclados


baleia feita com couro reciclado 2 Como fazer Artesanato em Couro e Materiais Reciclados
baleia feita com couro reciclado 3 Como fazer Artesanato em Couro e Materiais Reciclados
baleia feita com couro reciclado 4 Como fazer Artesanato em Couro e Materiais Reciclados
Por isso gostamos tanto de reciclagem, pois você transforma um objeto que antes estava encostado em um canto que já foi utilizado um dia e dá uma nova roupagem para ele. Esta baleia que me lembra o twitter é feita de sobras de couro, e forma uma bela imagem, que pode ser considerada uma obra de arte feita com materiais reciclados de ótima qualidade.
Não acredito que seja muito difícil fazê-la pois é só você ter um molde do tamanho e os tecidos é só você costurar a mão mesmo. Os olhos são mais fáceis de fazer pois com um molde de tampa de garrafa ou pote você consegue reproduzi-lo e por fim coloca-la na parede, pois além de estilosa e ecológica ela tem um sorriso muito legal. As idéias são várias e de muito bom gosto, basta você seguir um modelo e fazer. É simples!!
Fonte: http://www.dicasverdes.com/2011/06/como-fazer-artesanato-em-couro-e-materiais-reciclados/?utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=Feed%3A+DicasVerdescom+%28Dicas+Verdes%29

Ajude a ficar de olho nas Propagandas " Verdes" Enganosas

Desde que o assunto sustentabilidade entrou na pauta do dia, muitas empresas andam espalhando por aí que são “verdes”. Algumas, realmente, são. Outras, nem tanto. Com isso, muitos consumidores caíam nesses falsos anúncios. Mas este cenário vai sofrer algumas alterações. O Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (Conar)acaba de decidir que, a partir do dia primeiro de agosto, as publicidades que circularem no Brasil defendendo a bandeira ecologicamente de seus produtos ou serviços terão de provar que realmente estão apresentando algo amigo do meio ambiente.

“Um anúncio que cite a sustentabilidade deve conter apenas informações ambientais passíveis de verificação e comprovação. Não estamos buscando punir essas empresas, mas sim elevar o nível da publicidade sobre sustentabilidade”, declarou Gilberto Leifert, presidente do Conar, ao jornal O Estado de S.Paulo. Leifert citou os países Canadá, França e Inglaterra como referência no assunto, já que esses andam fiscalizando bem de perto o conteúdo dos anúncios que se dizem sustentáveis para evitar o efeito greenwashing, que não passa de uma tentativa de enganar os consumidores sobre o caráter sustentável de  produtos ou serviços.
É bom as empresas se prepararem, já que as regras são duras e as punições severas, caso aconteça o desrepeito das normas. “Não serão considerados pertinentes apelos que divulguem como benefício socioambiental o mero cumprimento de disposições legais”, aponta o presidente da instituição, que tratou de avisar que, como castigo, o anunciante pode levar uma advertência ou pode ter a suspensão da campanha publicitária. Além, claro, da  divulgação pública do descumprimento da regulamentação.
Mariana Ferraz, advogada do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), vê com bons olhos esta nova etapa da publicidade brasileira. “Hoje vemos uma enxurrada de greenwashing na publicidade.As empresas se vendem como verdes, dizem que plantam árvores, mas ninguém fiscaliza essas ações. Agora os consumidores poderão utilizar o Conar para denunciar empresas que estejam mentindo nesse campo”, disse a advogada.


Fonte: http://style.greenvana.com/2011/ajude-a-ficar-de-olho-em-propagandas-verdes-enganosas/

quarta-feira, 8 de junho de 2011

Mapa Mundi Digital

Recentemente o IBGE lançou um mapa-mundi digital, com síntese, histórico, indicadores sociais, economia, redes, meio ambiente, entre outras curiosidades, vale a pena conferir! 
  

http://www.ibge.gov.br/paisesat/main.php

Os caminhos das Toxinas e como elas afetam nossas Células e Órgãos


O Instituto CKK Desenvolvimento Humano

Dando continuidade ao Programa
PROMOVENDO SAÚDE

Convida para o Encontro: 

Os caminhos das Toxinas e como elas afetam nossas Células e Órgãos

As toxinas afetam nossa saúde. Verdade ou Mito?
Podemos nos livrar delas?
  

15 de junho – 4ª feira
Das 19 às 21hs.
ou
18 de junho – sábado
Das 10 às 13hs.


Rua Batatais, 602 conj. 12 – 1º andar esquina Rua Pamplona
Jardim Paulista - São Paulo- SP
Coffee Break com Produtos Orgânicos

Vagas Limitadas

Confirmar sua presença até a véspera de cada um dos eventos.

Informações:

ckk@ckk.org.br ou pelo telefone (11) 3805-6007

Inscrições R$ 20,00 mediante depósito bancário:
Razão Social: Instituto Yamadori de Qualidade de Vida CGC 05.362.911/0001.82
Banco Itau: Ag. 0183 – conta corrente 23386-5 ou Banco Bradesco: Ag. 0562 – conta corrente 0068810-0
ou pela internet no endereço: www.ckk.org.br/1025.html

segunda-feira, 6 de junho de 2011

“Ouse e seja feliz”


Ouse e seja feliz”


- um caminho para a felicidade e a sabedoria -



O Instituto CKK – Desenvolvimento Humano e o Círculo Militar de São Paulo convidam vocês para conhecer o curso “Ouse e seja feliz”.


O curso “Ouse e seja feliz”, cria condições para uma vida sem estresse, com visão positiva e sem depressão, gerando tranquilidade e bem estar com efeitos positivos sobre a saúde.



Temas e técnicas abordadas:
Efeitos energéticos dos pensamentos e sentimentos sobre o corpo e a saúde


Hábitos geradores de sentimentos positivos, eliminação de estresse e realização


Técnicas para adoção de hábitos que levam ao pensamento positivo e bom humor


Técnicas para limpeza de sentimentos e desenvolvimento perceptivo e criativo


Técnicas para aumento da capacidade de realização e relacionamento pessoal

Desenvolvimento: 04(quatro) encontros de uma hora e trinta minutos de duração



Início: 14/06, terça, das 14:30 as 16:00hs ou das 19:30 as 21:00hs

      ou 16/06, quinta, das 14:30 as 16:00hs ou das 19:30 as 21:00hs
Local: Auditório do Clube Círculo Militar de São Paulo
Rua: Abílio Soares, 1589- Ibirapuera
tel: 3056-4053


Facilitadora: Cristiana Bidart, psicóloga clínica há dez anos, faz atendimentos individuais e grupais, especializada em Filosofia Pragmática com atuação terapêutica e professora dos cursos: Riso Feliz e Ouse e Seja feliz.


Inscrições na Diretoria Cultural 


Não-sócios podem fazer o curso!!!
Primeira aula Gatuita!!!! 

sábado, 4 de junho de 2011

Mangia che te fa bene!




Aprendi a fazer pão com as italianas da minha família. Observá-las era bem divertido, especialmente no momento de sovar a massa. Nós crianças ríamos muito, imitávamos e algumas vezes nos deixavam mexer na mistura crua. Tudo com muita parcimônia para evitar desperdício. Muito cedo aprendi a ter respeito com o alimento. Principalmente com o pão nosso de cada dia!

Até hoje o ato de fazer pão me remete a esta festança na cozinha, mesmo que eu esteja sozinha. Parece que de algum canto elas, as italianas, estão a me observar, me orientando orgulhosas.
Fazia tempo que eu não fazia pão. Ontem, eu fiz.
Sem batedeira elétrica, sem qualquer outro tipo de artifício, apenas com as minhas mãos, repetindo o ritual milenar. Hoje é minha filha quem se diverte me assistindo na cozinha. E, exatamente como eu e as outras crianças, ela sempre pede para pôr a mão na massa.
Aproveitei umas sobrinhas de abóbora que estavam na geladeira, acrescentei gergelim, um pouco de linhaça e pronto. O jantar foi enriquecido com o pão quentinho, recém-saído do forno. Mais caseiro impossível!
Nem vi o tempo passar. Na realidade, quando estou numa cozinha, não vejo o tempo passar. Eu adoro uma cozinha. Na cozinha sinto-me à vontade. Pronta para um bate-papo. Adoro os aromas, as cores, os cheiros, a fumacinha saindo das panelas. Isso tudo tem a ver com alquimia…
Enquanto cozinho, fico muito concentrada acompanhando e respeitando os tempos de cozimento dos alimentos, que são diferentes. Uns guardam mais sabor quando são preparados rapidamente; outros necessitam de horas no fogo, o que inunda a casa com aquele cheirinho que atrai todo mundo para a beira do fogão.
Acho muito gostosa a movimentação entre fogão, pia, geladeira. É uma bela coreografia. Mexer a comida na panela. Provar. Sentir o gosto. Esperar o sabor espalhar-se pela boca. Decidir se carece de mais uma pitada de algum tempero.
Nada mais feminino do que se ocupar do nutrir. E, como todas as coisas do feminino não estão sendo lá muito valorizadas nos últimos tempos, preocupar-se com a alimentação parece bem fora de moda. Ocupar-se do nutrir, então… pode até soar meio esquisito.
Aqui preciso fazer um parêntesis, para que fique bem explicado o que entendo quando digo “feminino”. Não quero dizer, a rigor, mulher. Refiro-me a acolhimento, ternura, cuidado, capricho, paciência, sensibilidade. Sensações que podem (e devem!) ser experimentadas por homens e mulheres. Noto que quando nos dispomos a cozinhar, muitas vezes somos mobilizados por estas sensações. Traduzo “ocupar-se do nutrir” como ocupar-se do alimento primordial, alimento que nutre o espírito, a alma. Por outro lado, uma atitude masculina (igualmente presente em homens e mulheres) é aquela focada, objetiva, bem explicada, regrada, estratégica, calculada. Na cozinha é necessário um certo despojamento. Como explicar objetivamente, por exemplo, uma “calda em ponto de fio”? Ou então, como estabelecer o tempo exato de espera para que a massa do pão cresça ? Impossível. E é aí que entram as características do “reino do feminino”: observar, esperar, arriscar…
Digo cozinhar mesmo. Não ligar o microondas.
E não vamos confundir “pensar em alimentação” com procurar produtos de baixas calorias. Noto que estamos cada vez mais consumindo produtos alimentícios, e menos alimentos.
Alimentos são aqueles encontrados na natureza, aqueles que estão nas feiras, que não precisam de embalagem, que não duram meses. Precisam ser lavados, descascados, manuseados com delicadeza, têm cheiro de terra, têm cheiro de infância. Não contêm conservantes. Nem corantes. Sem a maquiagem de produtos que realçam cor, sabor ou o que quer que seja. Não são uniformes. Pelo contrário, bem desiguais em tamanho, forma, cor, cheiro. Quem consegue um maracujá idêntico ao outro?
Cozinhar, para alguns é sinônimo de submissão. Para mim é exatamente o oposto. Poder fazer minha comida é sinônimo de liberdade, independência e auto-suficiência. Escolher o que eu quero comer, com o sabor dos temperos que mais me agradam, sem ter que pedir ou pagar por isso é sensacional. E liberdade, independência e auto-suficiência foram grandes incentivos ao meu aprendizado da arte culinária, diga-se de passagem.
Já cozinhei mais. E melhor.
Hoje em dia me ocupo das refeições dos domingos.
Almoço de domingo, principalmente para quem é caipira e descendente de italianos, é também um ritual.
Mas voltarei a este tema em outra ocasião.
Pense um pouco e veja como tem sido sua alimentação. Hoje, o que você comeu? Quantas embalagens você abriu? Do que foi ingerido, o que foi comprado diretamente na horta ou na feira? O que, de verdade, pode ser chamado de alimento?
Sei que nos colocaram, e nos colocamos, num tipo de esquema que quase não nos permite um cuidado real com tudo o que de mais importante para nossa saúde, física e emocional, se realize. Mesmo assim, temos de encarar a nossa alimentação com outro olhar. E isso se faz urgente. Precisamos voltar a comer direito, como entendiam nossos antepassados.
Ontem, ao retirar o pão do forno, notei que a antiga receita, herdada da minha família, tinha sido atualizada por mim. Misturar gergelim, restinhos de abóbora e linhaça foi por conta da minha criatividade audaciosa. E, olha, modéstia à parte, ficou uma delícia!

Um lindo texto de Regina Volpato - Jornalista. Paulistana. Cresceu no interior do estado de São Paulo. Formada pela USP. Mãe. Gosta de ler, cozinhar, andar na praia, cuidar das plantas, tocar piano, praticar yoga e corrida.http://reginavolpato.com.br/blog/

Fique mais um pouquinho e aproveite:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Tem mais gente ....