quarta-feira, 18 de maio de 2011

Aposentado de 89 percorre caminhos mais longos do mundo a pé


RODOLFO LUCENA

Desde os 17 anos, o aposentado Virgílio Ribeiro, 89, percorre, andando, os caminhos mais longos do Brasil e do mundo. 
Alexandre Rezende/Folhapress
Virgílio, com seu equipamento de caminhada, no Horto Florestal, zona norte de SP
Virgílio, com seu equipamento de caminhada, no Horto Florestal, zona norte de SP
*
"Caminho há 70 anos. Tenho recordes de tudo. Caminhei todo o Brasil, o México. Fui ao Vale dos Dinossauros, na Bolívia. E fiz duas vezes o caminho de Santiago.
Sou o homem mais antigo a fazer o caminho.
Da primeira vez, em 2001, foi um desafio. Peguei meu 13º salário, o que eu tinha, fiz um empréstimo e fui para lá com a cara e a coragem, sozinho, sem ninguém...
Saí de Roncesvalles, nos Pirineus. Logo 22 ou 25 km adiante, tinha um albergue, mas não parei. Fui direto para Pamplona. Naquele dia, andei 48 km, com a mochila nas costas. A mochila e o cajado de peregrino.
Voltei sete anos depois e fiz um trajeto ainda mais longo, saindo de Saint Jean Pied de Port, na França. São 850 km até Santiago de Compostela.
Ser peregrino é interessante. A gente vê tanta coisa. Eu sou um camarada assim: eu curto a vida. A única infelicidade que eu tenho é não ter minha esposa viva. Vivemos juntos 46 anos. O resto...
Eu não tenho dor, não tenho dificuldade, não tenho nada. O único problema que tive foi na primeira vez que fiz o Caminho. Senti uma canseira. Parei no albergue, veio uma médica me examinar.
'Seria bom você ir para um hospital, passar dois dias, depois se recupera', ela disse.
Veio uma ambulância na hora, me levou já com balão de gás para ajudar a respiração. Fiquei num apartamento, num centro hospitalar, coisa maravilhosa, com telefone, televisão, jornal de manhã, sem pagar nada.
Depois de dois dias, voltei para a caminhada e completei a jornada em 28 dias.
Alexandre Rezende/Folhapress
Virgílio da Silva Ribeiro, 89, mostra, em sua casa, em São Paulo, cadernos de anotações com impressões de suas viagens e poemas; suvenires das andanças: certificados de caminhadas nos Estados de São PauloeMinas Gerais e a concha de Santiago de Compostela
Virgílio da Silva Ribeiro, 89, mostra, em sua casa, em São Paulo, cadernos de anotações com impressões de suas viagens e poemas; suvenires das andanças: certificados de caminhadas nos Estados de São Paulo e Minas Gerais e a concha de Santiago de Compostela
Segui cantando. Eu gosto de cantar. Estudei canto, de moço. Em qualquer albergue, eu chego cantando. Canto tudo: canções, trecho de ópera, tudo o que eu lembro.
Na minha juventude, já gostava de caminhar. Com 17 anos, escalei o pico do Jaraguá, que era selvagem naquele tempo. Fui com três amigos, e passamos os quatro dias de Carnaval. Essa foi a minha primeira aventura. Aí tomei gosto por aquilo.
CIGARRO E CERVEJA
Eu fumava um maço e meio de cigarros por dia, fumava muito, bebia também. Trabalhei 22 anos na Brahma, a gente bebia muito. Era de graça mesmo, não é?
Larguei em 1972. O homem, quando chega aos 45, 50 anos, tem de parar com essas coisas, passar a encarar melhor o que faz. Eu deixei de beber de repente, assim, cismei, falei para a mulher: 'Olha, não vou beber mais'.
Uns dias depois, eu saí de casa para comprar cigarro. No meio do caminho, parei, pensei: 'Deixei de beber, vou deixar de fumar também'.
SAÚDE
O cigarro não teve nada a ver com o câncer. O câncer foi depois. Tenho agora 89 anos, o câncer foi 24 anos atrás.
Estava em Angra dos Reis, com minha filha, meu genro, meus netos pequenos. Mergulhei no mar, tentei nadar e não consegui. Cansado demais, não respirava bem.
Voltamos para São Paulo, fui ao hospital, fiz exames. O médico me disse: 'Olha Virgílio, você está mal, vai ser operado. Eu já vou te avisando: é um caso que pode retornar, pode ter sequelas'.
Eles operaram meu estômago, fiquei um tempo no hospital. Quando voltei para casa, depois de um tempo, fui para a academia. Eu sempre fiz musculação, fazia modelagem física no Palmeiras. Sou um português palmeirense. Até o ano passado, fazia musculação.
PELO MUNDO
As grandes caminhadas foram todas depois da operação. No exterior, a primeira foi em 1997, no México: com 75 anos, percorri os caminhos da civilização maia. Em 2003, com 81, fui o homem mais antigo a subir o monte Huayna Picchu, em Machu Picchu.
Andei sete horas sem parar, foram 36 km, com uma subida de 2.825 metros. Quando desci, foi uma emoção indescritível, impressionante. Estava todo mundo na praça me esperando, para me receber e me dar os parabéns. Aí eu chorei.
Pelo Brasil, fiz todas: caminho da Luz, caminho do Sol, caminho das Missões, passos de Anchieta. O caminho da Luz, em Minas Gerais, com o pico da Bandeira, é lindo, lindo, lindo.
Num certo trecho, a gente caminha por onde era o leito da estrada de ferro que vinha do Rio, a Leopoldinense. Não tinha mais a estrada, não tinha trilhos nem dormentes, mas tinha aquelas estaçõezinhas velhas, sem telhado.
Eu vivo o caminho. Aquela beleza, os rios, as matas, as flores, os pássaros, aquela coisa maravilhosa que eu encontro pelo caminho. Eu paro no meio da trilha, me apoio no cajado e fico pensando, imaginando: eu sou um mensageiro de Deus.
Somos todos uma figura só: árvores, pássaros. É isso ai. Essas coisas é que eu busco no caminho.
COTIDIANO
Meu dia é assim: deito de madrugada, aproveito todo o possível do dia, faço palavras cruzadas, vejo filmes, escrevo poesia, impressões que tenho das viagens.
Faço almoço, porque, com o meu salário, não dá para almoçar fora. Faço sopa, uso cenoura, mandioquinha, para quatro, cinco dias. Ponho no freezer, para não fazer todo dia, porque eu saio muito também.
Encontro os amigos, as amigas. Mais interessante é encontrar as amigas. Porque aí é beijinho daqui, beijinho dali...
A vida é assim. Eu tenho uma vida formidável, rapaz.
Vida fora do normal. Não posso me queixar. Sou feliz, apesar de viver sozinho. Ganho pouco, mas sou feliz."
*
RAIO-X
NOME E ORIGEM
Virgílio da Silva Ribeiro, 89, nasceu em 1922, em Vila Garcia, distrito de Trancoso, Portugal. Veio para o Brasil com pouco mais de um ano e meio
FAMÍLIA
Viúvo de dona Helena, com quem foi casado por 46 anos e teve quatro filhos. Tem nove netos
TRABALHO
Aposentado, já foi gerente de bar, contador, recepcionista e subchefe de departamento pessoal
CAMINHADAS
Caminha desde os 17 anos, mas passou a fazer longos percursos depois dos 75
*
ANDANÇAS NO BRASIL
Caminho da Fé
De Águas da Prata a Aparecida (SP), passando por trilhas. (caminhodafe.com.br)
Caminho da Luz
De Tombos, a 383 km de BH, ao Pico da Bandeira. São quase 200 km em sete dias. (caminhodaluz.org.br)
Caminho das Missões
Percurso de até 325 km, na região das Missões, no RS. (caminhodasmissoes.com.br)
Caminho do Sol
São 241 km, de Santana do Parnaíba a Águas de São Pedro. (caminhodosol.com.br)
Os Passos de Anchieta
Reconstitui trilha percorrida pelo padre Anchieta. São 100 km, no Espírito Santo. (abapa.org.br)

2 comentários:

  1. esse homem tem uma saude hein e caminhar então ele caminha muitos e muitos km a saude dele entaõ acho que ele chega a longevidade,parabéns pra ele....

    ResponderExcluir
  2. Achei mto interessante sua historia, tbm tenho vontade de sair por ai mundo afora... o mundo e tao grande e conhecemos tao pouco dele, vivemos para o trabalho filhos casa familia que nem nos apercebemos do que ha em nossa volta dos detalhes. Caminhadas assim nos faz refletir como somos pequenos no nosso pequeno mundinho interior.
    Gostei da paginha tiozinho

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu comentário!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...